sábado, 28 de fevereiro de 2009

cicatrizes da alma


Este é um poema antigo meu espero que apreciem.
Eu tive um pesadelo... acordei assustado...em outro pesadelo.
Pensei que estava vivo, mas vi o meu corpo...
Estava ferido com uma espada transpassando a garganta para que eu não gritasse, os braços e as pernas estavam cheios de corte empapado em sangue.
E em uma das mãos uma espada quebrada...

Não há esperança para quem está morto
É vergonhoso morrer como um cão, sendo morto por bandidos.
Quem me matou me perguntam!
O passado e a Angustia eis aí os meus assassinos...
Morri lutando até a minha espada quebrar
De que valeu lutar? De que me valeu o Kenjuutsu?
Já chega não quero mais lutar!
Estou farto de lutar em busca de um sentido...
Eu não tenho mais força...
Acabou!!

Brener Alexandre Gonçalves, 10/11/2003.

Nenhum comentário: