domingo, 15 de novembro de 2015

Phoné

Nossas vozes se encontram entre tantas vozes dissonantes.
Entre timbres variados e sons desconcertantes.
Exprimem emoções e aspirações misteriosas.
Vozes que se encontram entre alegrias ruidosas.

O som da tua voz em mim vibra quando me toca.
Me traz felicidade alegria e me reconforta.
Tua fala segura me abraça em segredo.
Revela ao meu coração uma porção de desejos.

E a minha voz como lhe toca?
Te traz arrepios ou lhe arranca suspiros?
Produz o sorriso ou dá calafrios?

Nossas vozes se encontram cheios de confiança.
No tom adequado que cabe a esperança.
Exprime sua caminhada, sua trajetória de vida.
Fala da tua história menina entusiasmada.

E a voz do poeta que vos escreve...
Quando lhe fala teu sangue ferve?
Quando recita, teu coração palpita?
Te provoca alegria ou é pra ti uma desdita?

Tua voz me encanta mais que o canto de Yara.
Corta a minha tristeza como navalha afiada.
Transforma o pensamento em poesia
Emoções em versos
Palpitações em fantasia.


sábado, 14 de novembro de 2015

3° Lei de Newton

Escreveu Sir Isaac Newton na grande obra Principia Mathematica “A toda ação há sempre uma reação igual ou, as ações mútuas de dois corpos um sobre o outro são sempre iguais e dirigidas a partes opostas” (Newton, 2008,.p.54).

Todos conhecem a 3° lei de Newton, a lei da ação e reação. Ela diz que se eu der um soco em uma parede a dor que vou sentir é proporcional a força com que a minha mão a atingiu. A dor parece maior, é verdade, mas é proporcional.
 Acontece é que a minha mão é feita de um material menos resistente que a parede e, portanto, passível de sentir mais os efeitos da força reativa do que a parede sentiria em termos destrutivos a força ativa do golpe desferido. ( como contra exemplo a parede sente o dano ao ser golpeada por uma marreta e se deixa destruir, quando a marreta não parece ter sofrido absolutamente nada).

Mas, por que falar da 3° lei de Newton? Em que ela nos ajuda a pensar os problemas éticos e sociais que tem envolvido a humanidade recentemente?
Porque, penso, a lei de Newton mais poderosa que a lei de Murphy não diz apenas sobre força de ação e reação e o impacto que isso tem sobre os corpos, mas diz também sobre a força de ação e reação das nossas escolhas morais e do impacto que provoca sobre a nossa sociedade.

Explico: A polarização recente na política e seus contrastes visíveis principalmente nas redes sociais é um fenômeno que pode ser explicado pela 3° lei de Newton.  Quero dizer que pode ser compreendido, e não que é capaz de avaliar quem está certo ou errado na história. O EI (Estado Islâmico) e seus ataques também podem, penso ser explicado por essa maravilha da física moderna.
Se há uma força de mudança haverá na mesma proporção uma reação conservadora, se há uma força violenta haverá uma resposta a altura. É isso o que tenho pensado recentemente observando os fatos.

Pessoas ao fazer escolhas morais, ao se engajarem em projetos sociais, ao escolher esta ou aquela ideologia produzem os efeitos da 3° lei de Newton. Porém esses efeitos não são imediatos, pode ser que a resposta venha no mesmo instante, pode ser que a resposta venha ao longo de meses ou anos, mas ela vem.
E vem na forma do ressentimento, da covardia, do medo, do irracionalismo e de inúmeras formas de violência. A palavra que agride, que projeta, que recusa até a violência física e a negação dos direitos básicos do outro.

Suprimir a alteridade até silenciá-lo. E tal como a mão que dói ou a parede que é feita em pedaços pela marreta também aquele que resistir ao choque de forças antagônicas permanecerá de pé. Mas deveria ser assim?

Se como disse o filósofo Eric Weil escapamos à violência e ao medo ao sermos racionais, pergunto-me quando, então, seremos racionais? É verdade quem nem todos estão abertos ao diálogo, que nem todos almejam à paz, mas e então? Eis o paradoxo do humanismo, como lidar com a alteridade que não reconhece o outro? Como permitir o reconhecimento ético? Duas alteridades que se afirmam e se respeitam, duas alteridades, posto que um é sempre outro para o outro. O reconhecimento é um dos grandes desafios da ética contemporânea e da filosofia política contemporânea. A violência é a resposta que subjaz à falta de diálogo, não apenas a violência física, mas a violência verbal à discriminação de todo o tipo também são violências nossas de cada dia.

A 3° lei de Newton se torna cada vez mais perceptível para mim, ela explica a natureza dos corpos e das gentes será que haverá algum meio de escapar de tal lei? Ou de minimizar os efeitos dessa lei?


Edição da Principia Mathematica usada:


NEWTON, Isaac. Principia: Princípios Matemáticos de Filosofia Natural Livro I. trad: Trieste Ricci, Leornado Gregory Brunet, Sônia Terezinha Gehring, Maria Helena Curcio Célia. São Paulo: Edusp, 2008 2° edição.

Ponte de Palavras

Para atravessar o rio de silêncio ergo uma ponte de palavras.
Com cordas de pensamento e suporte de sentimentos.
Entre verbos e adjetivos e um sujeito indeterminado.
Entre o pensamento e a voz que materializa as ideias.

Palavras desajeitadas se seguram a qualquer custo.
Se a ponte se romper irrompe o ruidoso silêncio.
Rio sem riso vazio que angustia.
Palavras que morrem afogadas em agonia.

Palavras vacilantes dizem e nada dizem
Se a ponte balança muito é por medo do silêncio que me agride.
Águas que passam rápido num curto espaço de tempo.
Palavras amedrontadas por causa do agitar dos ventos.

Ponte de palavras instrumento limitado.
Rompe com o silêncio e configura o significado.
Ponte de palavras pinguela dos necessitados.
Por cima do silêncio liga sujeitos e predicados.

Palavras que se ligam como os elos de uma corrente.
Se tornam caminho para as vozes recorrentes.
Tudo flui e a palavra é massacrada pelo movimento.
Ponte frágil de palavras sobre o rio de silêncio.

Como Crátilo a ponte de palavras aponta o sentido.
Anuncia aquilo que com o silêncio é desdito.
Um dedo fala muito ao indicar a direção.
Como a ponte de palavras que possui duas mãos.
Duas direções necessárias para se fazer entendido.
A palavra é desnecessária se não houver algum sentido.

A ponte de palavras estabelece a relação.
Que o abismo de silêncio engole com a solidão.
A ponte é simples necessária e urgente.
Periga por cima do rio que separa as gentes.

Uma ponte feita para ligar os espíritos
Almas isoladas e corações contritos.
Que o silêncio aparta como rio intransponível.
Engolindo amores e amigos.

segunda-feira, 9 de novembro de 2015

Bela Vênus

Estrela matutina brilha antes do sol nascer.
Anunciando o novo dia que está para acontecer.
Uma deusa reluzente que possui fases como a lua.
Encanta quem lhe olha manifestada na aurora.

Estrela vespertina brilha antes de escurecer
Segue o sol devagarinho até desaparecer.
Divina e discreta brilha na linha do horizonte.
A deusa do amor que se coloca como ponte.

Entre tardes e manhãs
Entre escuridão e luz
Um trajeto do infinito
Se liga feito circulo
Limite dos destinos da estrada do zodíaco.

Bela Vênus deusa grega passeia na biga divina
Velando pelos mortais que seguem a sua sina.
Bela Vênus flor belíssima da abóboda celeste.
Faz o teu caminho leste-oeste.

Tua beleza, Vênus divina, toca o nosso intelecto.

De fato, deusa luminosa, tu és a flor mais bela do universo.

Era apenas um pedido

Era apenas um pedido, uma súplica, um clamor.
Não te fiz violência com as minhas palavras de amor.
Uma confissão corajosa em meio a intempestivo sofrimento
Um simples pedido feito em tom de lamento.

Era apenas um pedido delicado e suave.
Um pedido sincero feito com amor de verdade.
Pedidos e súplicas nem sempre persuadem.
Não ordena e nem se impõe com seu gesto de simplicidade.

Era apenas um pedido que você ignorou.
Um sentimento sincero que você rejeitou.
Uma súplica, um pedido de ajuda.
Sua mão recolhida me negou acolhida.

Era apenas um pedido, um pedido e nada mais.
Sua escolha me condenou a solidão atroz
Era apenas um desejo externalizado em palavras
Frustrado pelo teu medo acabou acorrentado.


quinta-feira, 5 de novembro de 2015

Coroa de flores

Os mais simples ornamento é complemento para tua beleza.
Várias cores flores em coroa sobre tua cabeça.
Um enfeite digno da sua realeza.
Suave como um sorriso verdadeiro portento da real beleza.

O mais simples acessório enfeita tua cabeça.
Te conecta com a realidade e te dá graça com natureza.
Torna-te divina com a guirlanda colorida.
Mais bela das mortais coroada como uma ninfa.

Uma simples coroa de flores vale mais que mil coroas douradas.
Pois o ouro não reflete a beleza das florestas.
Nem tampouco manifestaria o encanto que em ti encontro.
Mas uma simples coroa de flores é o mais belo dos arranjos.

Laços finos e delicados como tuas mãos
Vigorosos e resistentes como o teu coração.
Colorida como o teu sorriso e brilhante como teu olhar.
Tu e a coroa sois um, difícil de separar.

Coroada como com flores, coroada como o sol.
Teu sorriso brilha e ilumina os caminhos como um farol.
Ornamentada de natureza e encanto particular
Enfeitada para agir e não para adornar
Coroada pelas flores és tu como uma delas.
Encanta quem te perscruta a alma
Vê em ti bosques profundos florestas densas
Um mistério que se revela a quem em ti navega

Sem medo do que a coroa de flores verdadeiramente encerra.

quarta-feira, 4 de novembro de 2015

Silêncio XI

Esse silêncio que nos separa
Forma um mar de palavras
Palavras profundas
Palavras vazias.

Esse silêncio que nos rodeia
É o vazio que nos medeia
Palavras não ditas por covardia.
Palavras desejadas, mas não proferidas.

Esse silêncio que nos divide
Um abismo de letras soltas
Palavras pensadas, mas esquecidas
Palavra construídas, mas ignoradas.

Esse silêncio surdo
Esse vazio do não dito.
É tagarelice inaudível
É conversa performática
É silêncio em plenos pulmões.