sexta-feira, 12 de junho de 2009

Solidão

Clarice Linspector disse não sei onde: "Não tenho medo de chuvas tempestivas e nem de ventanias soltas, pois eu também sou o lado escuro da noite". Eu sou lado tenebroso da noite, onde luz alguma penetra, onde ninguém é capaz de enxergar.
Sou solidão, sou solitário e ninguém pode me acompanhar, por que sou incessante, e vou aonde quero.
sou liberdade, sou anseio, sou vontade, sou desejo, e vc não pode me possuir, mas eu te possuo por inteiro.
Sou errante, planeta gélido afastado do sol que alguns dizem que nem planeta é, mesmo sabendo que erro sem sentido.
Sou escuridão quase clara, sou clareza escura e embaçada não sou tua salvação, mas tua perdição eterna.
te quero e não posso te ter, te desejo e este me consome e me faz verter lágrimas de saudade por algo que nunca aconteceu.
eu sou vento te sinto e não me sentes, te beijo e vc não sabes que sou eu.

eu sou sem ser e ainda que viesse a ser seria contigente e desnecessário para vc por que haveria milhões de outros que poderiam estar no meu lugar.
não sou rosa no teu jardim, não sou pedra no seu caminho. eu sou apenas um acidente isolado na sua vida. e o meu ser é uma unidade é ímpar e por isso só, solus ipsum factus...

2 comentários:

Jah disse...

É o menino gómantico!!! :)
(gótico e romântico)

Brener Alexandre disse...

Bom neologismo!!!