domingo, 3 de agosto de 2008

Solidão

Solidão é o eu que não tem ninguém é o você entre espaços e um tempo que demora a passar.

Solidão é o vazio da alma, é doença deste século é o mal que me arrasa!

Solidão é o preço da minha liberdade que na verdade é uma prisão a céu aberto. Não carece de vigias porque não há o que vigiar. O que há apenas é ausência de presença.

Solidão é o que eu sinto agora. Necessidade de suprir a vontade de ter você por perto e não poder te tocar. É querer te sentir e ter apenas a lembrança do que você é.

Solidão é fome da sua presença não saciada pelo meu desejo.

Solidão é ser como uma estrela tão longe que nem mesmo quando agrupada em constelações pode se considerar um grupo...

Um comentário:

Thuany Telles Bennetti disse...

Será que os primatas tbm sofriam por amor? Acho que com o passar do tempo, e a evolução dos pensamentos, idealizamos tanto as coisas, tornando-as nossos martírios.

"(...)Tenha sempre em mente que às vezes tentar salvar um relacionamento,
manter um grande amor, pode ter um preço muito alto se esse sentimento não for recíproco.
Pois em algum outro momento essa pessoa irá te deixar e seu sofrimento será ainda
mais intenso, do que teria sido no passado.
Pode ser difícil fazer algumas escolhas, mas muitas vezes isso é necessário.
Existe uma diferença muito grande entre conhecer o caminho e percorrê-lo.
A tristeza pode ser intensa, mas jamais será eterna.
A felicidade pode demorar a chegar, mas o importante é que ela venha para ficar e não
esteja apenas de passagem...". - Luiz Fernando Veríssimo

Beijos, te amo.


Thuany.