terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Rubéola

Por que não me vencestes no útero materno? e terminando com a minha vida, me pouparia uma existência de sofrimentos e ilusões. onde as pessoas desenvolvem um gosto sádico e mórbido de mentir, de enganar, de iludir, de manipular, de controlar, de seduzir.
Se me tivesse vencido, ainda que me deixasses vivo, me pouparia certamente de uma vida "normal" eu poderia ter nascido cego, surdo ou mudo.. paralitíco ou com qualquer outra deficiência. Não me digas que tudo não passava de um teste, para saber se eu sou forte o suficiente para viver num mundo cheio de conflitos! não me digas que sou forte, "que eu tenho ombros largos e que aguento muita coisa" eu também sou humano, tenho fraquezas, sou imperfeito em muitas coisas. "se o sentido da vida não é o sofrimento, então a vida é um grande contra-senso", assim pensava Schopenhauer, ele está certo o prazer é uma ilusão fugaz, uma grande mentira da natureza, para se manter existente.
Não importa o quão forte eu possa ser eu tbm tenho meus pontos fracos.
Se eu pudesse ter escolhido, escolheria não existir, escolheria a vida sem tanta dor, sem conflitos, o não ser é mais atraente que o ser.. ser de sofrimento, "ser para a morte", mas uma morte lenta, onde a cada dia o existir se perde na poeira do tempo...
Por que não me vencestes quando deverias? por que?

Nenhum comentário: