segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

Despedida

Essa dor que me corrói por dentro
eu chamo de despedida
por que tenho que ir agora e não posso mais ficar

essa dor que eu converto em lágrimas
essa dor tétrica, claudicante
essa dor que palavra alguma expressa

meu pensamento é turvo
não sei aonde ir
o que fazer...
o que eu sei é que preciso ir
contra a minha vontade, contra o meu desejo
eu vou e não sei quando volto...

eu vou...

Um comentário:

Anny Lima disse...

pow gostei bastande dessa sua poesia você escreve bem!

é muito bom seu blog! para béns!