domingo, 28 de abril de 2013

Pequena reflexão sobre o namoro como instituição: Desconstruindo o amor romântico



Uma das questões que estão na minha pauta sobre o namoro como instituição é o amor romântico. Meu objetivo é desconstruir o amor romântico e mostrar que a sua natureza é inapropriada para o namoro enquanto instituição dada à superficialidade que é própria da sua natureza. Por que o amor romântico é superficial? A resposta é, que o amor romântico é caracterizado por uma paixão avassaladora que toma o amado como um objeto ideal, isto é, o amante cria uma imagem ideal do amado que é o seu objeto de paixão, objeto este que o faz sofrer. O sofrimento aqui deve ser entendido tanto no sentido de dor que aflige pela necessidade do desejo, que toma conta e perturba a alma. 

Quanto no sentido de afecção, de uma percepção que afeta a alma de um determinado modo. No amor romântico a pessoa em si é o objeto de desejo que ou nunca é conquistado por ser inalcançável e por isso causa dor na alma do amante ou uma vez conquistado precisa ser constantemente reconquistado para que a chama do desejo e a paixão avassaladora não se apague da alma do amante e nem do amado. 

É por isso que a paixão que pode e deve ser entendida como uma variante do amor romântico é incompatível com o namoro enquanto instituição, porque o namoro é como já havíamos dito o desejo de dividir a vida, de torná-la comum e a paixão é uma emoção violenta, desmedida que extrapola e monopoliza a relação do casal. Extrapola porque sempre tem a necessidade do novo e o namoro embora possa possibilitar o novo, tende na verdade para a conservação, por isso o namoro pautado pela paixão tende ao fracasso quando a chama escandalosa da paixão cessa. 

O monopólio acontece porque a paixão cria um mundo em torno do casal que os faz esquecer-se dos amigos e até de si mesmos em nome de uma união desmedida fundada na imagem que um faz do outro e não no que são na realidade, daí, por exemplo, quando pessoas muito apaixonadas se casam depressa e logo se separam porque o convívio escancara os defeitos do cônjuge, ou quando um fica tentando mudar o comportamento do outro gerando brigas culminando no divórcio.

Na ficção: livros, filmes, música e no teatro o amor romântico se encaixa muito bem, pois a ficção imita a realidade e por vezes extrapola sua veracidade através da idealização dos arquétipos e dos estereótipos que tem por objetivo passar uma determinada mensagem.
Mas quando se trata do mundo real as coisas são um pouco diferentes, criar um mundo no qual eu vejo apenas a minha amada e do qual espero ser notado apenas pela minha amante trás uma série de problemas, alguns já esboçados acima, e outro que penso ser muito grave e prejudicial e do qual os problemas acima são talvez uma conseqüência é a aniquilação da individualidade das partes envolvidas no relacionamento e no final vive-se a vida do seu ou da sua parceira e não se divide a vida, quero dizer, não se compartilha os mundos, seus microcosmos entre si.

Por isso, me posiciono sempre contra a paixão e contra o amor romântico, pensando sempre no amor como uma atitude, ou disposição em que é manifestada a boa vontade, e cuidado, onde o equilíbrio deve prevalecer, pois a paixão também desperta o ciúme doentio, a desconfiança e claro insegurança.

Só quem aprende a amar a pessoa em sua inteireza com seus pequenos defeitos e suas qualidades é capaz de dividir a vida, porque sabe que ao dividir está complementando a sua e a de outrem.

O amor romântico inibe a partilha porque não partilha a vida, mas faz com que um tente consumir a vida do outro, melhor exemplo disso é o relato Kiekergaardiano na obra “Diário de um Sedutor” em que o flerte tem como objetivo criar uma imagem que encanta e atrai até que se torna desinteressante depois de conquistado. No amor romântico não pode haver conquista definitiva e sim um eterno jogo de sedução em que constantemente eu tenho que me tornar atraente, sempre mudando de forma, para agradar o amado; ou como no mito de Eros e Psique em que Psique apaixonada pelo desconhecido acaba enganada e fere o amor; o próprio Eros, teu sedutor é ferido, quando Psique pensa que está sendo seduzida por um monstro. 

O próximo passo é apresentar através da escolha de Hyparchia, filósofa cínica que viveu no século III a.C. a opção que pode substituir o amor romântico, a pista dada é essa a de um amor que é Eros-phília, um amor-amizade, em que o desejo de estar junto não massacre a individualidade do casal e seja um desejo de partilha da vida.

Esta partilha não olha bens materiais, não olha status social, mas se encanta com o que cada um é, com o que cada um tem a contribuir positivamente para a relação e que é a causa do fracasso do amor romântico que se alimenta de uma chama que devora tudo inclusive a própria relação que deveria ser seu fim.

Nenhum comentário: