quarta-feira, 5 de junho de 2013

O Cântico

Fui visto na rua a cantar
Não era um cântico de alegria
Não era um cântico de felicidade
Fui visto na rua a cantar
Um cântico e nada mais.

Eu canto para espantar a tristeza
Canto para que a minha voz seja a minha companheira
Andar sozinho exige o cântico
Andar sozinho exige coragem.

Fui visto na rua a cantar
Cantar a minha tristeza
Cantar o meu sofrimento
Fui visto na rua cantar
As noites mal dormidas
A dores incompreendidas
A solidão que me acolhe

Fui visto na rua a cantar e pensaram que eu estava alegre
Enganados pela harmonia do som não viram meus olhos tristes
Não viram minhas mãos tremulas de medo e nem o pânico no fundo dos meus olhos
Não viram que sou covarde ante a vida
E que tenho medo de existir, pois a existência é deveras dolorosa.

Um cântico foi ouvido
Um cântico triste e medonho
Sou o pássaro solitário
Que canta um canto de tristeza
Que canta o canto do pavor
Que canta o canto do abandono

Que canta o canto da solidão

Nenhum comentário: