quarta-feira, 24 de julho de 2013

Eclipse da Lua


Noite vazia
Noite solitária
Sem estrelas
Sem nuvens
Havia um brilho
Havia uma luz
Que a penumbra engoliu
Que a penumbra escondeu.

Tudo é escuridão sem o brilho da lua cheia
Cheia de alegria, cheia de sorriso
O brilho refletido do sol oculto pelo ocaso
Brilho reflexo do espirito que segue a luz do sol.

Tudo é escuridão quando a penumbra engole a luz
Tudo é noite, são trevas...
Ó, Lua! Onde tu estás? Se escondestes de mim?
Tu foste a minha amada!
Aquela que desejo contemplar
Porque te contemplar me faz feliz
Ao ver o brilho do sol que tu reflete
Descubro as maravilhas ocultas no universo.

Ó, Lua! Não me abandone também!
Deixa-me ver o teu brilho mais uma vez
Pois é com os olhos que acaricio tua face
E é com ternura que vislumbro suas fases.

Ó, Lua! Clamo a ti! Suplico-lhe
Deixa tua luz entrar pela minha janela
Pelas janelas da minha alma
Penetra fundo a minha alma
Cura o meu espirito quebrado!
Ó, Lua! Estou perdido porque eu também fui engolido pela penumbra
Estou mergulhado na sombra densa da noite escura.
Não vejo nada, não sinto nada
Apenas medo
Apenas pânico
Nem as estrelas permaneceram para me fazer companhia.

Ó, Lua! Ainda mais um pouco e te procuro...
Ainda mais um pouco te desejo...
Ainda mais um pouco me lembro de como a tua luz me foi agradável.



Nenhum comentário: