sábado, 26 de dezembro de 2015

Rascunhos de Cartas

Ainda tenho os rascunhos daquela carta.
Ainda tenho na memória todas aquelas palavras.
É um rascunho passado a limpo.
Palavras esboçadas esquecidas no limbo.

Ainda tenho o balão de coração.
Que você me deu com as tuas próprias mãos.
Queria que fosse o seu amor doado.
Naquele coração inflado.

A carta continha um segredo.
Ela exprimia um desejo.
O rascunho tem muitos erros.
Palavras escritas cheias de medo.

O balão fica sempre à vista.
Mas ele não cura minhas feridas.
Ele guarda um desejo.
Que eu nunca guardei segredo.

Em dois tempos distintos dois amores.
Duas emoções, duas dores.
Na letra tremida o receio
No balão guardado um anseio.

Ainda tenho o rascunho daquela carta.
Ainda guardo na lembrança suas palavras.
Um rascunho, um ensaio.
Poderia ter sido perfeito, mas foi um fracasso.

Ainda tenho o balão de coração.
Guardado com minha afeição.
Um ícone, um sinal.
Será que esse é o final?

Ainda guardo o rascunho daquela carta.
Tantas vezes modificadas,
Tantas vezes ensaiada.
Ainda guardo o seu coração
Disfarçado de balão.

Ainda rascunho aquela carta.
Com palavras que não te disse.
Abrindo a minha alma para que você visse.
Aonde guardo o seu coração.


Brener Alexandre 25/12/2015

Nenhum comentário: