segunda-feira, 3 de abril de 2017

Pulsão de morte

Às vezes tenho desejo de partir
Às vezes tenho vontade de sumir
Tenho sede de paz
Fome de silêncio.

Às vezes tenho vontade de falar
Às vezes tenho vontade de berrar
Desatar o nó da garganta
Estou engolindo a falta de esperança.

Às vezes penso que não deveria ter nascido
Que não deveria ter entrado no mundo ter sido concebido.
A alma dói
O coração sangra.

Entre a vida e a morte
Entre o desejo e a sorte
Impulsionado pelo destino
Fugindo dos meus desatinos.

Às vezes quero inexistir
Às vezes quero sorrir
E não consigo
E finjo
E choro.

Às vezes quero me esconder
Porque tenho medo
De viver
De sofrer.

Às vezes a vida me empurra
Entre vontades absurdas
A emoção violenta
A pulsão sangrenta
Desejo de morte
Desejo de fim da existência.


Brener Alexandre 03/04/2017

Nenhum comentário: